Aula para iniciantes de costura 4: Ainda sobre saias...






Oláá, meninas! Alguns Tipos de saias.






















Essa saia foi muito utilizada na década de 50, com modelos mais compridos e mais rodados. Com cintura marcada e muito tecido, ela é enviesada ou cortada em círculo. Atualmente, a saia ganhou a cintura marcada geralmente por elástico e sua altura diminuiu, passando a ser utilizada normalmente um palmo acima do joelho. Pode ser muito ou pouco volumosa, e o volume influencia muito na hora de escolher a ideal para o seu corpo. Mulheres com pouco quadril devem usar, preferencialmente, as mais cheias, e, para as triangulares, a ideal é a menos volumosa, para não criar aquele efeito “bolo de festa”.







A saia lápis é descendente da saia reta. Mais curta e justa, ela se adequa ao corpo e cola nas curvas com o seu corte de cintura alta que afunila perto dos joelhos. Não é aquele modelo apertado que impossibilita a caminhada, o que a torna bastante confortável. Muito usada como peça coringa, ela levanta qualquer look e, com jeito, pode ser usada tanto em uma combinação mais sóbria e social quanto mais alegre e despojada. A saia lápis evidencia (e muito) a curva das coxas, por ser bastante justa no quadril. Um dos modelos mais utilizados pelas mulheres, é recomendada principalmente para quem não tem muito bumbum ou quadril, mas, dependendo, as com quadril mediano podem utilizar sem medo. Mulheres com quadris mais largos correm o risco de ficar com a saia subindo o tempo inteiro e marcando na região, pelo fato de o modelo ser bastante justo.




Básica, o modelo da saia reta acompanha o quadril e desce até os joelhos (ou pouco abaixo deles) sem ajustar, tendo pouca diferença entre o tamanho da cintura e do quadril. É o típico modelo “clássico” das mulheres dos anos 40, que a puseram no armário pela falta de tecido da época e economia que traziam em sua produção. De cintura alta, a saia reta é confortável por não se prender tanto ao corpo e facilitar os movimentos na hora da caminhada. Cai bem em quase todos os tipos de corpo (nos quadrados não fica tão bonito por não marcar muito a cintura) e, além de clássico, combina tanto com o modelo mais social (de trabalho, como acompanhando os terninhos) quanto com um mais despojado. A aparência vai muito da sua criatividade na hora da composição do look.





Sabe aquela saia que se sobrepõe, totalmente aberta, reta, e que fecha com o tecido dando uma “volta” ao corpo e prendendo com um botão (ou derivados) em cima? Então, essa é a saia envelope. Pode ser usada em todos os tipos de corpo, desde que se regule o fechamento para não marcar demais nem de menos. É encontrada em modelos com cintura alta, baixa, acima do joelho e até aquelas bem compridas, quase tapando os pés.




A saia plissada, diferentemente da drapeada, tem as dobraduras feitas no próprio tecido, e não costuradas, como acontece na outra. Está em alta em couro e courino, mas pode ser encontrada em vários outros tipos de tecido, principalmente os mais levinhos e sintéticos (parecidos com tule) e transparentes com forro. Pode ser usada por mulheres com todo tipo de corpo, exatamente por não colar e não marcar a silhueta. De cintura alta, a saia plissada é encontrada em diversos comprimentos, desde acima dos joelhos até a mais comprida, quase tapando os pés.



Reconhecidas facilmente por remeterem ao modelo colegial e escocês, as pregas dessa saia são pregadas na hora da costura mesmo, diferente da plissada, que as têm feitas diretamente no tecido. Pode ser usada por mulheres com qualquer tipo de corpo, e costumam ter altura acima dos joelhos.






A saia balonê surgiu nos anos 80 e sumiu de vista depois do êxtase de uso em 2007. Pode ser usada acima ou abaixo do joelho, tem costura em camada dupla, bastante volume, cintura alta ou baixa, normalmente marcada, e o soltinho costurado no final, que cria a aparência arredondada. Serve geralmente para todos os tipos de corpo, principalmente porque mulheres com quadris mais largos tendem a ficar com eles “abrigados” dentro do tecido, o que faz com que quase não apareçam.





A diferença entre a saia pareô e a envelope é mínima e quase imperceptível para quem não a conhece. Na verdade, o detalhe que difere uma da outra é que a pareô fecha na cintura com laços grandes e é volumosa, enquanto a envelope somente se fecha em cima, reta. A saia também costuma ser mais aberta embaixo, formando um tipo de “V” ao contrário. Em questão de vestimenta, a pareô realça bastante o quadril - então, caso o seu seja largo, prefira as com maior abertura e menos volume.






A saia em “A” ou evasê recebe esse nome exatamente por lembrar o formato da letra A - é justa na cintura e desce abrindo, sendo mais ampla na parte de baixo e terminando abaixo dos joelhos ou pouco acima deles. Podendo ser utilizada por mulheres com todo tipo de corpo, essa saia cai como uma luva para quem tem quadris largos (ou silhueta triangular), porque os disfarça muito bem. Ela pode ter um corte mais reto ou mais solto, fluido, e é feita de tecidos mais molinhos, diferentemente da saia lápis e reta.




A saia de babados tem um ar romântico e possui os babados dispostos de formas variadas: podem ser em rufos, camadas, regulares, com textura bem levinha (suave) ou irregulares. É mais indicada para mulheres com pouco quadril por causa do volume que acrescentam à silhueta - portanto, se você tiver quadril largo, evite ou use a menos volumosa possível. Costuma ter elástico na cintura e altura acima do joelho.



Fluida e romântica, a saia enviesada cria uma silhueta violão por ser mais apertada quase no final, soltar na ponta e ser mais solta (porém marcada) na região do quadril. É cortada na diagonal e não na direção da trama dos fios. Cai bem em mulheres de quadris menores e medianos, mas, dependendo do ajustamento, também funciona para os maiores. Mais indicado: silhueta tubular.





Nessa saia temos pregas na parte do cós, e que somem ao longo da peça, na região da coxa. Tem volume em cima, ajustando ao corpo no final, o que aumenta bem os quadris. Ideal para mulheres altas, magras e que querem exaltar a medida dessa região. Se você tem quadril largo e bumbum grande, evite esse modelo, pois ele aumenta ainda mais o tamanho.



Com grande influência greco-romana, as saias drapeadas têm efeito enrugado, costuradas exatamente com esse intuito. É justa, cola no corpo e tem certo volume. Cuidado: quem tem quadril maior (ou não está tão bem assim com a balança) deve ficar atenta ao volume, pois, automaticamente, esse modelo de saia adiciona certo volumosidade à silhueta. É mais indicado para as magrinhas, pois define e evidencia sem vulgaridade.
Share on Google Plus

0 comentários :

Dê nos sua opinião